A maquininha de cartão é um item essencial para qualquer pessoa que trabalhe com vendas. Em tempos de crise financeira, as máquinas usadas surgem como uma opção mais barata e rápida para os empreendedores que desejam adquirir a própria maquininha. Mas, será que vale a pena comprar um produto sem ser novo?

Há uma série de questões técnicas e legais a se considerar antes de cogitar a compra de uma maquininha usada. Caso o processo não seja feito corretamente, tanto quem vendeu, como quem comprou, pode acabar perdendo dinheiro.

O que verificar na hora de comprar uma maquininha usada

Existem vários fatores que devem ser levados em conta na hora de cogitar a compra de uma maquininha usada.

Garantia – Um fator fundamental na análise do custo-benefício de uma maquininha usada é a garantia. A manutenção de máquinas de cartão fora da garantia acaba sendo muito cara, por isso é importante verificar quanto tempo ainda resta de suporte no produto usado. Se ela já estiver fora da garantia ou com muito pouco tempo restante, é melhor analisar outra opção, já que as maquininhas novas oferecem garantias longas.

Moderninhas PagSeguro com QR Code na tela da Plus

Maquininhas PagSeguro vem com 5 anos de garantia

Frequência de uso – Questione o vendedor da maquininha usada qual era o seu ramo de atuação e o modo como ele utilizava o produto. A frequência e a intensidade do uso são pontos decisivos para analisar o real estado da maquininha. Há segmentos em que o uso das maquininhas é bem mais frequente, então é importante levar isso em conta.

Uso legal – Por fim, é preciso conferir se a compra da maquininha pelo dono original foi feita legalmente. Existem formas de comprar uma maquininha, e alguns podem trazer perigos, principalmente se a compra tiver sido feita de maneiras não oficiais. O grande perigo é que a maquininha pode ser adulterada, vendida por terceiros que se passam por revendedores oficiais.

Quais possíveis defeitos uma maquininha usada pode ter?

O aspecto técnico da maquininha deve ser analisado com cuidado. Com o tempo, alguns problemas podem surgir, como, por exemplo:

  • Erros na conectividade (seja por Bluetooth com o smartphone ou no chip próprio)

  • Falha no mecanismo de leitura de cartões

  • Visor com defeito

É importante checar item por item antes de efetuar a compra de uma usada, pois qualquer um desses problemas pode comprometer seriamente suas vendas.

Fique atento à bateria

Também é essencial analisar a saúde da bateria da maquininha. Assim como a bateria de outros dispositivos, a da máquina de cartão se deteriora com o passar do tempo, ficando viciada e durando muito menos do que quando nova.

A saúde da bateria depende mais da quantidade de cargas realizadas do que do tempo de uso. Ou seja, ela pode ter sido usada por anos, porém com baixa frequência, e a bateria estará melhor do que uma utilizada alguns meses com intensidade.

Pergunte ao dono por quanto tempo ela está segurando a carga e compare com a duração original do modelo. Se a diferença for muito grande, a deterioração só tende a piorar. Isso também pode ser influenciado pelos cuidado que o proprietário teve com a bateria da máquina.

Maquininha de cartão: como usar e como funciona

É possível transferir a titularidade da maquininha?

A transferência de titularidade entre proprietários é permitida pelas operadoras das maquininhas de cartão. Este processo pode ser mais simples ou mais complexo, de acordo com o modelo da máquina.

Processo de montagem do Maquinão iZettle

Maquininhas são aprelhos complexos, tornando cara a sua manutenção técnica © Above.se

Se a maquininha tiver conectividade (chip) própria, o antigo dono deve desvincular a conta da maquininha e o novo dono deve vincular sua própria conta. Esse procedimento deve ser feito de acordo com as normas da empresa operadora, por isso é importante entrar em contato com o atendimento. Se a maquininha não tiver chip, funcionando via celular, é preciso fazer a transferência do app.

É fundamental tomar cuidado: o processo deve ser feito na presença do vendedor e do comprador, e sugere-se fazer uma pequena venda de teste. Dessa forma, fica garantido que o antigo dono não estará pagando taxas nas transações e que o dinheiro das vendas não está caindo na conta errada.

Máquina de cartão é ativo imobilizado?

A aparência de uma maquininha usada pode afetar meu negócio?

Isso pode parecer estranho em um primeiro momento, mas uma maquininha usada com má aparência pode acabar prejudicando as vendas. Alguns dos pontos a se considerar são:

  • Tela quebrada ou trincada

  • Arranhões na superfície da maquininha

  • Logo da operadora apagado

  • Botões com números apagados

A importância do aspecto estético da maquininha se torna ainda maior à medida em que os golpes utilizando máquinas falsas aumentam no Brasil.

Uma maquininha em más condições, com o logo apagado, por exemplo, pode criar suspeitas nos seus compradores, fazendo com que você perca uma venda. Já uma tela trincada pode fazer com que o cliente fique desconfiado ao não poder ver bem o valor digitado.

O Veredicto

Analisando todos os pontos citados, é possível afirmar que não vale a pena comprar uma maquininha usada. A grande concorrência entre as empresas que oferecem o produto no Brasil provocou o surgimento de modelos muito baratos e que trazem facilidades no pagamento para os empreendedores, como a Minizinha, a SumUp Top e a Point Mini.

Considerando o preço baixo das maquininhas novas, o valor que será economizado com a compra de uma usada não compensa, levando em consideração a possível deterioração da bateria, o processo de transferência de titularidade que pode trazer dificuldades e as possíveis consequências de ter uma máquina com má aparência.

Colocando senha na máquina SumUp Top com cartão

SumUp Top é maquininha barata, com boas taxas e qualidade técnica

O fator que mais tem poder de fazer o barato sair caro é a garantia da maquininha. A compra de um produto novo oferece suporte total aos empreendedores por longos períodos de tempo, evitando gastos não previstos com a manutenção ou troca da máquina.

No entanto, se você perceber que a máquina foi pouco usada, ainda está com um bom tempo de garantia, a bateria está com a capacidade próxima de 100% e a transferência de titularidade será de fácil execução, a compra de uma usada pode valer a pena. Ainda assim, a diferença de preço para uma nova deve ser considerável.

Se você está com muita pressa para utilizar a maquininha e não pode aguardar o período de entrega dos produtos novos, a compra de uma usada também pode ser uma opção. Porém, lembre-se de tomar todos os cuidados citados anteriormente.

Minizinha com Celular