Receber pagamentos pelo celular já não é novidade. No entanto, qual modelo de smartphone escolher para isso pode causar alguma confusão. Cada serviço de pagamento online exige compatibilidades específicas, dificultando a vida de quem quer oferecer mais de uma modalidade de pagamento móvel aos seus clientes.

A princípio, o iPhone parece ser a melhor opção disponível, pois é praticamente impossível encontrar um serviço que não esteja pronto para aceitar pagamentos com ele. Só que este modelo de smartphone é muito mais caro, e usa um sistema operacional ao qual muita gente não está acostumado, o iOS da Apple.

Então, o que fazer neste caso? Investir em um iPhone? Limitar as opções de pagamento para os seus clientes? E, afinal de contas, por que o iPhone é o preferido das empresas intermediárias de pagamentos online?

Sistema do iPhone é único. O do Android, não.

Uma das razões da preferência é a maior facilidade na hora de desenvolver aplicativos para o iPhone. Por ter um sistema operacional que segue regras rígidas e únicas, fica muito mais prático desenvolver aplicativos para o iOS da Apple.

Já o Android é um sistema operacional mais flexível, e, por isso, pode sofrer modificações e adaptações para cada modelo de celular no qual é instalado. Isso significa dizer que é preciso moldar o aplicativo para cada versão existente no mercado – um trabalho longo e, algumas vezes, complicado.

O resultado disso é que, por uma questão de custos e de eficiência, os serviços de pagamentos móveis escolhem para quais smartphones e tablets Android eles irão desenvolver aplicativos, e se o seu não estiver na lista deles, simplesmente, terá que procurar por outra solução ou comprar outro celular .

Essa decisão também baseia-se no número de pessoas com o modelo de celular Android em questão entre as consideradas como público-alvo da empresa. Assim, se for de interesse do serviço atingir clientes de maior poder aquisitivo, é provável que o aplicativo seja preparado apenas para os smartphones e tablets mais caros.

Em termos de sistema Microsoft, a situação fica um pouco mais complexa, e você pode ler mais sobre Windows Phone e pagamentos móveis aqui.

Mão vermelha em gesto de pare com mensagem alerta de virus abaixo

Android sofre mais ataques

Por conta da sua popularidade, o Android é também o sistema operacional mais atacado por vírus e malwares. E um recém-lançado estudo da Zimperium descobriu que 95% dos aparelhos Android com sistema operacional 2.2 a 5.1 podem ser hackeados por mensagem de texto sem o proprietário sequer notar o que houve.

Junte-se a isso ao fato de que usuários de celulares Android costumam cuidar menos da segurança de seus aparelhos, raramente baixando os app que deveriam, se comparados com os donos do aparelho da Apple.

Já o iPhone além de contar com a colaboração de seus usuários, já vem de fábrica com aplicativos de segurança, e conta ainda com o rigor da Apple na hora de aprovar novos apps na iTunes Stores. Assim, aplicativos mal intencionados nem chegam a ser liberados.

Outro ponto a favor do iPhone é a atualização de seu sistema operacional acontecer de forma única, com o lançamento de novos modelos. Enquanto isso, o Android permite a coexistência de versões antigas (e mais inseguras) ao lado de outras em que falhas de segurança já foram detectadas e corrigidas.

iPhone lidera compras online

Outro motivo para o iPhone ter se tornado tão popular entre os pagamentos móveis é o maior interesse de seus usuários em fazer compras online.

Segundo dados do Mobile Payments Index (MPI) da Ayden, no segundo trimestre de 2015, 35,6% das transações móveis aconteceram por meio de iPhone, um crescimento de 8,6 pontos percentuais em relação ao ano anterior.

Esse valor representa 10,2% do total de transações online no mundo e implicou na queda da participação do tablet da empresa, o iPad, que antes representava 50% das transações móveis em 2013 e hoje atinge 28,5%. E este dado é quase idêntico ao do Android, que responde por 28,3% das transações.

Essa diferença também é percebida em termos de volume de vendas, ainda que de forma mais modesta. Enquanto quem compra por meio do iPhone gasta, em média R$ 280,00 por transação, usuários Android gastam R$ 254,00. E foi pensando nisso que a Apple lançou o seu próprio sistema de pagamento móvel, o Apple Pay.

iZettle Pro e Lite com celular e tablet mostrando o app

Devo então comprar um iPhone para receber pagamentos pelo celular?

Isso depende. Antes de sair correndo para o banco para retirar as suas economias de lá e comprar um iPhone, é preciso levar alguns quesitos em consideração:

O custo do iPhone

Sem dúvida, o custo do iPhone pode ser, simplesmente, proibitivo. Hoje, o iPhone 6, modelo mais novo da empresa, custa a partir de R$ 3.499,00 no mercado brasileiro, um valor que pode ser impensável para muitos autônomos e vendedores – é só lembrar que o salário mínimo brasileiro é hoje de R$ 788,00, ou seja, um iPhone 6 equivale a quase 5 salários mínimos.

É possível sim adquirir um aparelho mais antigo, como o iPhone 5, e ainda receber pagamentos com ele sem problemas. Mas, mesmo este modelo não sai por menos de R$ 2.500,00. Por isso, faça suas contas com cuidado antes de adquirir este aparelho e verifique o custo-benefício.

O seu público-alvo

O seu público-alvo tem iPhone? Se a maioria dos seus clientes nem imagina a possibilidade de carregar um destes no bolso, possivelmente, você também não vai precisar de um por um bom tempo.

Por outro lado, se você atende clientes de poder aquisitivo mais alto, ou que consideram tecnologia de ponta com algo essencial, um iPhone pode trazer o diferencial que faltava para o seu negócio.

A segurança

Se segurança é essencial para você, o iPhone é o modelo que aparenta ter maior controle sobre isso, pelos motivos já discutidos anteriormente. Seus clientes também irão confiar mais em um pagamento feito via iPhone do que com um celular Android, principalmente se o seu for um dos modelos mais simples.

Mas, se segurança para você é uma palavra relacionada a roubo, infelizmente, iPhones chamam muito mais atenção de bandidos do que aparelhos Android, justamente por conta do seu preço mais alto. Assim, se decidir adquirir um deles, trate de contratar um seguro também.

A boa notícia é que os dados financeiros das suas vendas e de seus clientes não ficam armazenadas no aparelho, sendo transmitidos em segurança para o serviço que você contratou. Assim, em caso de roubo ou furto do seu celular (seja ele qual for) não haverá perigo do “novo dono” visualizar os dados financeiros ou da venda – nem os seus e nem os de seus clientes.

Os aplicativos

Por fim, lembre-se de que  o seu smartphone, provavelmente, não será somente um instrumento de recebimento de pagamentos. Ele irá armazenar aplicativos voltados para a otimização do tempo, gerenciamento de contatos, agendas, além de apps pessoais. O seu smartphone também será a conexão entre o você e o seu leitor de cartão para celular para cartão, caso decida adquirir um deles.

Assim, considere qual sistema operacional e modelo de smartphone irá atender às suas necessidades como um  todo, e faça ótimos negócios!