A categoria de Microempreendedor Individual (MEI) reúne dezenas de profissões e atividades com características diversas. No entanto, mesmo com toda essa variedade, há muito em comum entre quem é MEI – inclusive nas dúvidas ao pesquisar sobre maquininhas para receber pagamentos.

É MEI e não sabe como escolher uma maquininha de cartão?

Neste artigo, damos algumas dicas para ajudar os microempreendedores a escolher a maquininha mais adequada, seja qual for a área de atuação. Falamos sobre itens como praticidade e preço, por exemplo. Por fim, analisamos as vantagens e desvantagens de alugar uma maquininha, em vez de comprar.

Preço acessível sem abrir mão da qualidade

Atualmente, o limite de faturamento para MEI é de R$81 mil. Há ainda um projeto de lei pendente de aprovação na Câmara que aumentaria esse faturamento para R$130 mil. Seja como for, não estamos falando de uma receita tão elevada. É natural, portanto, que o preço seja um fator importante na hora de escolher uma maquininha.

Existem muitas opções de maquininhas baratas no mercado brasileiro – para bolsos de todos os tamanhos. Então, cabe a você encontrar um modelo que caiba no seu orçamento.

É claro que isso não significa abrir mão da qualidade. Ao pesquisar sobre uma maquininha específica, não deixe de consultar o que os usuários (e os ex-usuários) falam a respeito do modelo e da empresa. Isso pode ser encontrado em fóruns na internet, nas redes sociais da empresa e no Reclame Aqui.

Quando falamos em qualidade, o foco está, por exemplo, em características como:

  • Duração da bateria

  • Qualidade do touchscreen

  • Funcionamento do software

  • Peso e tamanho

  • Durabilidade da máquina em si

Afinal, não adianta pagar pouco por uma maquininha se ela não oferece uma experiência agradável e você ainda corre o risco de ficar na mão por uma falha do software.

O plano certo para seu volume de vendas

Em relação ao preço da maquininha, é importante estar ciente de que ele vai além do valor de aquisição do equipamento. Ao escolher uma maquininha, você terá que levar em conta também a taxa percentual cobrada pelas transações e a taxa fixa mensal da empresa fornecedora (se houver).

Se o seu volume de vendas mensal não for tão alto (algo normal para quem é MEI), não vale a pena pagar por maquininhas dos fornecedores mais tradicionais. Afinal, elas costumam ter mensalidades fixas que podem drenar sua receita em meses menos movimentados.

Maquininhas SumUp e PagSeguro

Há diversos tipos de maquininhas para MEI no mercado

Normalmente, a melhor opção para quem é MEI são as maquininhas que cobram apenas uma taxa percentual sobre as transações realizadas. Nesse caso, é bom comparar as taxas e os limites de transações em cada maquininha pesquisada.

Praticidade e recursos

Obviamente, não adianta comprar uma maquininha boa e barata, se ela simplesmente não oferece a praticidade e os recursos necessários para o seu negócio.

Antes de comprar uma maquininha, você deve saber responder a algumas perguntas:

  • Alguém irá usá-la, além de você?

  • Ela será usada em entregas?

  • Como é o seu acesso à internet?

  • Você tem um smartphone para usar com a maquininha?

Por exemplo, se você trabalha com entregas, é importante que a maquininha não seja difícil de transportar. Em relação à conexão com a internet, o ideal é que ela suporte 4G – ou, no mínimo, 3G, dependendo da sua região.

Além disso, uma bateria durável pode fazer a diferença. Assim, você ou um entregador poderão carregá-la para qualquer parte de forma prática e independente.

Mesmo que a maquininha venha a permanecer sobre o balcão da sua loja, é importante pensar em como você pretende usá-la no dia a dia. Quanto à conectividade, por exemplo, leve em conta a força do sinal de internet e a disponibilidade de Wi-Fi no local.

Maquininhas Mega Ton

Escolha o modelo de sua maquininha de acordo com seu volume de vendas

Então, compre um aparelho com as características necessárias. Afinal, uma conexão instável na hora do pagamento pode deixar uma péssima impressão e fazer com que você perca vendas.

Já as maquininhas que precisam de um smartphone ou tablet durante a utilização podem ser uma ótima opção, pois são mais baratas. No entanto, elas podem não ser as mais indicadas se os pagamentos são processados por diferentes e você não pretende deixar um dispositivo dedicado a isso junto à maquininha.

Da mesma forma, não são a melhor opção se você não tem um bom smartphone e um pacote de dados que dê conta das transações.

Bandeiras de cartão e outras necessidades do seu público

Ao escolher uma maquininha, você também deverá levar em conta o perfil e as necessidades dos seus clientes. Afinal, dependendo dos hábitos do seu público na hora do pagamento, você poderá precisar de um equipamento com características específicas.

Quais são as bandeiras de cartão mais usadas pelos seus clientes? A maioria das maquininhas aceita pagamentos realizados com cartões Visa ou Mastercard, por exemplo. No entanto, o mesmo não se aplica quando passamos para outras bandeiras. É importante saber se a maquininha aceita:

  • Bandeiras de outros cartões (ex. Hipercard)

  • Vale-refeição e vale-alimentação (ex. Sodexo e Alelo)

  • Bandeiras de bancos locais importantes em algumas regiões (ex. Banrisul)

Além disso, é interessante avaliar a demanda por maquininhas com pagamento por aproximação (NFC), via cartão, smartphone ou smartwatches (entre outras opções), pelos seus clientes. Ainda incipiente, essa forma de pagamento tende a se tornar cada vez mais popular. Mesmo sabendo que a maioria das maquininhas mais novas oferece esse recurso, é importante confirmar antes da compra.

Outra questão pertinente é se os seus clientes costumam exigir (ou você acha que possam vir a querer) comprovantes em papel. Muitas maquininhas não contam com impressora, enviando os comprovantes apenas via SMS ou e-mail, por exemplo. Por isso, é importante saber quais são as melhores máquinas de cartão com recibo.

Facilidade de uso: opte pela simplicidade

Uma questão importante para quem é MEI, na hora de escolher uma maquininha, é a facilidade de uso do equipamento. Nesse sentido, quanto mais simples, melhor.

Afinal, em um negócio pequeno, dificilmente você terá uma pessoa dedicada exclusivamente a receber os pagamentos dos clientes, com tempo de sobra para processar as transações e aprender tudo sobre o equipamento. Na maioria das vezes, os pagamentos serão processados em meio a outras atividades por você ou por um funcionário – lembrando que um MEI pode ter no máximo um funcionário.

Portanto, dê prioridade a sistemas de pagamento fáceis de usar. Já usa algum método de pagamento com frequência – por exemplo, Mercado Pago ou PagBank? Você pode comprar uma maquininha de uma dessas empresas e tornar mais baixa sua curva de aprendizagem, pois não começará do zero.

Vale a pena alugar uma maquininha?

Quem pensa em adquirir uma maquininha para o seu negócio ainda pode contar com a opção de alugá-la, em vez de comprá-la em definitivo. Há diversas empresas que alugam o equipamento por um valor mensal.

Esse formato oferece vantagens, mas também desvantagens, em relação à compra do equipamento. Para quem é MEI, alguns pontos podem ser mais ou menos relevantes na hora de decidir entre comprar ou alugar a maquininha, como veremos a seguir.

Vantagens de alugar

Vamos começar pelos aspectos positivos de optar pelo aluguel de uma maquininha. Os principais benefícios, neste caso, são:

  • Negociação: você poderá negociar com a empresa um preço de aluguel e, quem sabe, taxas de transação, adequados à realidade do seu negócio.

  • Assistência e backup: o aluguel de uma maquininha normalmente inclui assistência gratuita e substituição do equipamento. Então, você não perderá muitas vendas caso a sua maquininha pare de funcionar.

  • Qualidade do equipamento: por fim, você terá acesso a máquinas modernas, já que as empresas costumam atualizar com frequência os equipamentos que alugam.

Desvantagens de alugar

É claro que há, também, algumas desvantagens em alugar uma maquininha, em vez de comprá-la. Elas podem ser mais ou menos relevantes, dependendo do contexto.

  • Custo fixo: o custo fixo mensal será maior ao alugar o equipamento. Ou seja, esta pode ser uma solução menos econômica a longo prazo.

  • Tipo de maquininha: para um MEI, muitas vezes, uma maquininha mais simples e com menos recursos já é suficiente. Portanto, pode valer mais a pena adquirir um modelo básico e barato.

  • Burocracia: um contrato de aluguel pode representar uma burocracia a mais em sua vida. Comprar o equipamento em definitivo pode ser uma solução mais prática.

Conclusão: a maquininha deve caber no seu planejamento

Como tudo em um negócio, a decisão sobre a compra (ou aluguel) de uma maquininha deve fazer sentido em seu planejamento. Ou seja, você deverá levar em conta suas expectativas de lucro, o perfil do seu público e a organização do negócio, para então escolher a melhor opção.

Antes de pesquisar modelos de maquininhas (e os serviços que estão por trás delas), reflita sobre suas necessidades reais, estabelecendo prioridades e requisitos essenciais. Assim, você certamente tomará a melhor decisão para a sua MEI.