Os brasileiros sentem-se cada vez mais à vontade no mundo digital. Com isso, a parcela de internautas que faz compras online tem crescido anualmente: 89% dos internautas realizaram ao menos uma compra online em um período de 12 meses, de acordo com uma pesquisa do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL), realizada em 2017.

Se o comportamento de compra está mudando, um hábito bem brasileiro permanece firme: o pagamento com boleto bancário, inclusive para compras online.

Boleto bancário é o segundo na preferência nacional

O boleto bancário é a segunda modalidade de pagamento preferida pelos internautas, tendo sido mencionada por 53% dos entrevistados. Perde somente para o parcelamento no cartão de crédito, que obteve 65% da preferência na mesma pesquisa. A parcela única paga com crédito à vista ficou na terceira posição (45%).

A maioria das lojas virtuais e gateways de pagamento tem o boleto entre as formas de pagamento disponíveis: um estudo realizado pelo Sebrae aponta como 75% o percentual de e-commerces brasileiros que oferecem esta possibilidade ao consumidor. De olho nessa realidade, até mesmo o site nacional da gigante norte-americana Amazon passou a aceitar, em 2019, o boleto como forma de pagamento para a maioria das compras.

Popularidade reflete realidade econômica brasileira

Criado pelo Banco Central em 1993, o boleto é tão popular que se tornou sinônimo de contas a pagar entre os mais jovens. Mas, a que se deve tanta popularidade?

Ela pode, em parte, ser explicada pelo perfil da população: 55 milhões de pessoas acima de 18 anos, ou 41,9% do total, não possuem conta bancária. Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), os “desbancarizados” são em geral autônomos, donas de casa, empregados sem carteira assinada, e profissionais liberais.

Há, ainda, a dificuldade de acesso ao crédito, cenário que se tornou ainda mais crítico nos últimos anos em razão da crise econômica.

Mais da metade dos entrevistados em outra pesquisa do SPC considerou difícil obter alguma modalidade de crédito, seja cartão, crediário, cheque especial ou financiamento.

As razões para isso variam, mas são claras. Por exemplo, entre as pessoas ouvidas em um levantamento posterior que não utilizaram o cartão de crédito em um período de 12 meses (30%), o principal motivo foi não conseguir solicitar um deles por estar com o nome sujo (30%). E isso torna o boleto uma alternativa importante para a inclusão econômica dessas pessoas.

75%

Porcentagem de e-commerces brasileiros que oferecem boleto

55 milhões

Número da população acima de 18 anos que não tem conta bancária

Ele também é o preferido por quem prefere pagar à vista aproveitando o desconto que muitas vezes é oferecido, ou por aqueles que têm receio de fornecer os dados do cartão no ambiente virtual.

Boleto agora é com registro

A principal desvantagem do boleto – a possibilidade de fraudes online – foi reduzida, a partir de 2018, com a entrada em vigor da Nova Plataforma de Cobrança. Criada pela Federação dos Bancos do Brasil (Febraban), o sistema determina que todos os boletos emitidos no país sejam registrados e contenham nome e CPF ou CNPJ do pagador, assim como a data de vencimento e o valor.

Ou seja, eles poderão ser rastreados pelos bancos com maior facilidade, ampliando a segurança e transparência.

O boleto bancário é a segunda modalidade de pagamento preferida pelos internautas.

Estimativas apontam que, em 2016, quatro em cada dez boletos eram emitidos no país sem registro.

A vantagem para o emissor era a flexibilidade de alterar os dados, como a data de pagamento. Por outro lado, o vendedor precisava controlar os recebimentos com atenção redobrada.

O ponto negativo para o empreendedor é que, a partir de agora, todo boleto emitido poderá ter uma taxa cobrada pelo banco, seja ele pago ou não. Antes, como o processo era mais simples, esse custo era cobrado apenas na compensação. É importante salientar que esta tarifa, por determinação do Código de Defesa do Consumidor, não pode ser repassada ao comprador.

Receber com boleto tem prós e contras

Mas, e então, será que vale a pena oferecer o boleto como forma de pagamento para os seus clientes? Conheça abaixo as vantagens e desvantagens dessa decisão:

Vantagens

  • Possibilidade de vender para um número maior de clientes, incluindo os milhões de brasileiros sem acesso a conta bancária e/ou cartão de crédito. Além disso, há outra fatia expressiva da população que possui cartão, porém com um limite baixo para os gastos.

  • A exigência de registro na Nova Plataforma de Cobrança tornou esta modalidade ainda mais segura para consumidores e lojistas, reduzindo os riscos de fraude.

  • O boleto oferece, em geral, um custo menor para o empresário em comparação com o cartão de crédito. As taxas variam de banco para banco, e é possível negociar com o gerente.

  • Permite mais rapidez no recebimento do que os cartões de crédito.

  • Mais facilidade de fazer estorno caso ocorra a desistência da compra, uma vez que não é preciso entrar em contato com o emissor do cartão de crédito.

Desvantagens

  • A desistência da compra é 34% em média também segundo mesma pesquisa Sebrae, pois, como o boleto não é pago na hora, a pessoa tem mais tempo para pensar se precisa mesmo daquele produto ou serviço. Para minimizar o abandono de carrinho, tome medidas como enviar o boleto via e-mail e lembrar o consumidor de efetuar o pagamento dentro do prazo.

  • Na maioria dos casos, o boleto não é adaptado à tela dos smartphones e dos tablets. Este é um problema sério se considerarmos que 41% das compras online são realizadas por meio destes aparelhos, de acordo com a PwC (original em inglês). A maior parte da população de baixa renda tem no smartphone a única forma de conexão com a internet.

  • Todo boleto fica registrado no sistema bancário, podendo haver uma taxa de emissão cobrada pelo banco mesmo se não houver o pagamento. As alterações – como data de pagamento, por exemplo – também podem ser cobradas, diferentemente do que ocorria com o boleto sem registro.

Analise antes de oferecer boleto

Não restam dúvidas de que o boleto é uma das formas de pagamento mais utilizadas pelos brasileiros em suas compras online. No entanto, há mais fatores a serem analisados antes de decidir oferecê-lo em sua loja virtual.

Coloque algumas coisas no papel, seguindo as orientações acima. Se você ainda não oferece o boleto para seus clientes, verifique os custos envolvidos com seu gerente ou com uma plataforma de emissão de boletos online com boa reputação.

Analise o perfil do seu consumidor: se você vende para as classes C, D e E, poderá ter um aumento expressivo nas vendas se passar a oferecer o boleto. As classes C e D são as que mais consomem em e-commerces, segundo uma sondagem da agência Conversion. Elas representam 34,9% e 29,6% do total, respectivamente.

Se o boleto já consta entre as formas de pagamento de sua loja, mas você pensa em desistir devido ao aumento do custo com a obrigatoriedade do registro, tente negociar uma taxa menor com o seu banco. Analise o porcentual de compras feitas com boleto e os meios de aperfeiçoar a conversão. Com todas as informações em mãos, você estará apto a tomar a melhor decisão para o seu negócio.

Prefere outra solução para receber pagamentos? Confira nosso artigo sobre venda digitada.